quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Balanços de 2014 # 2 - Ler 50 livros

No inicio do ano, propus à minha pessoa ler 50 livros ...
Pensei sinceramente que não ia conseguir chegar tão longe. Mas se calhar é melhor ser sincera... estes 50 que aqui aparecem ao lado, são na realidade 49.5 =)
Este ano correu muito melhor a nível de leituras que o anterior. Mas a verdade é que também me esforcei para isso. Quis e fiz questão de ler mais e mais e mais. Mas hoje... hoje tive de fazer uma pequena batota, algo que nunca antes tinha feito.


Agora para o fim do ano eu andava empancada num livro. A Mulher Má, de Marc Pastor... não sei bem já quando é que o comecei a ler. Mas sei que... preparem-se... não o acabei. Este foi o único livro do qual desisti este ano. Hei-de fazer opinião do mesmo brevemente, pelo menos a justificar o porquê de não ter gostado e por isso não me vou adiantar muito mais.
Faltava-me um livro para completar o desafio. Dei pelo menos umas 4 tentativas ao livro e não deu. Olha... acabei por o contabilizar para o desafio. Mereço um descontinho. Afinal de contas li o Outlander e dentro dele cabem o quê, uns 3 livros? =)

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Balanços de 2014 #1 - Pilha obrigatória de livros para 2014

O ano está a aproximar-se a passos largos do fim. Começa a ser altura de fazer alguns balanços não só acerca de leituras, mas especialmente, dos desafios a que me propus no inicio do ano.
Quem não se lembra da minha pilha obrigatória de livros por ler em 2014?
Era constituída por 10 livros e entre os quais, contavam-se quatro autores que eu nunca tinha lido.
Tinha por ler: 


Paixão
O Ultimo Cabalista de Lisboa
Orgulho e Preconceito
Um erro inocente
A melodia do amor
A metade sombria
A Passagem II 
A luz das Runas 
Os Homens que odeiam as mulheres
Vinho Mágico

Dos 10 livros escolhidos no inicio do ano, li 6 e um deles troquei com uma amiga. 
Paixão
O Ultimo Cabalista de Lisboa
Orgulho e Preconceito
Um erro inocente
A melodia do amor
A metade sombria
A Passagem II 
A luz das Runas 
Os Homens que odeiam as mulheres
Vinho Mágico

Ficou por ler Stephen King e Stieg Larson, cujos livros seriam estreias para mim, e o 2º livro da trilogia das Runas da Joanne Harris.
King, fui adiando adiando até Outubro, altura em que planeava ler o livro A metade Sombria. Claro que isso não aconteceu...
Com o Larson, calhou ver o filme na tv, e perdi a vontade de ler o livro. Já me disseram que ainda assim, o livro é muito melhor do que o filme. A verdade é que achei o filme super violento e gráfico, faço ideia a leitura. Apetece-me saltar já para o 2º volume da trilogia, e não falar mais nisto... mas também já me disseram que o 2º continua a ser muito violento e gráfico, portanto, estou tramada.
Quanto ao livrinho da Joanne Harris, o que dizer. Não há desculpas. Depois de ter lido Vinho Mágico da autora, quis dar uma pausa aos seus livros. Adoro-a mas tenho sempre tantos problemas com ela, que tive algum receio. Mas será certamente (lá estou eu novamente a fazer promessas) leitura de 2015.
Para o novo ano também vou criar uma pilha obrigatória. Espero que seja cumprida à risca! 

Baby Blues 31 - Cama Supra - Opinião

Opinião: Esta foi a primeira banda desenhada do canal, e a primeira que li em muitos muitos anos. Longe vão os tempos em que me dedicava a ler quadradinhos do tio patinhas e amigos. A banda desenhada deixou de me fazer sentido e de me agradar, essencialmente pelo seu conteúdo muito infantil.
E heis que sou apresentada ao Baby Blues.
Cada livro de Baby Blues reúne várias tirinhas alusivas ao dia - a - dia de uma família de 5. E que família!
Gostei muito. As ilustrações são simples e sem cor (o que pessoalmente prefiro) e o discurso sarcástico e sagaz, ou seja, o meu tipo de discurso favorito.
Este é o livro perfeito para se ir saboreando, e não se pense que é apenas destinado a papás, qualquer pessoa se pode identificar com as situações aqui ilustradas.
Obrigada Bizâncio pelo re-introdução ao mundo da Banda Desenhada =)


Deixo-vos também com um pequenino video sobre o Baby Blues. Espero que gostem. E desse lado gostava de saber, se existem fãs desta série ou género. O que me recomendam para o novo ano no âmbito das bandas desenhadas?

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A Menina que fazia Nevar - Opinião

Opinião: Deixei passar um dia antes de fazer esta opinião. Por norma escrevo sempre de cabeça quente. Mas por vezes, há livros que nos forçam a algumas horas de reflexão. Este é um desses livros. E por esse motivo, peço desde já desculpas pelo rumo que esta opinião possa tomar, pois regra geral, quando gosto muito de um livro, as opiniões tendem a tornar-se confusas.
Começo como sempre; pela classificação que lhe atribuí no goodreads. 5 estrelas. 5 estrelas dadas a quente, mas que ainda assim, e após alguma reflexão, se mantêm. Em primeiro lugar, finalmente um livro que me deu gozo ler e que me tirou da maré de livros 2 estrelas. Em segundo lugar, que livro!
A menina que fazia nevar  conta-nos a história da pequena Judith. A Judith tem apenas 10 anos e é criada pelo pai. Cresceu no seio de uma educação religiosa muito premente e portanto, vive o mundo de forma totalmente diferente de quem a rodeia. Nomeadamente, dos seus colegas de escola. Ela é vítima de bullying. E não estou a falar de um simples gozo por este ou por aquele motivo. Estou a falar de uma perseguição constante por parte dos colegas, pelo facto de ser "diferente".
Ao longo do livro assistimos à forma como a religião afecta a vida da Judith e de quem a rodeia, especialmente o seu pai. Acompanhamos esta menina nas suas descobertas e crescimentos, assim como assistimos à criação de um mundo em miniatura no seu quarto. O livro tem uma mensagem absolutamente linda e que faz realmente sentido. Não só nesta quadra, mas no fundo, para a vida.
A menina que fazia nevar, é o primeiro livro escrito pela autora Grace McCleen. E que estreia. É absolutamente fenomenal!
É um livro que pelo seu tema poderá não agradar a todos. A religião é, na sua essência algo muito pessoal e que dirá sempre algo de diferente a quem a seguir. No meu caso pessoal, posso dizer-vos que parti para a leitura deste livro com uma ideia completamente errada daquilo que ele seria. Pensei sinceramente que se trataria de uma leitura com uma componente espiritual muito forte e que fosse passar aquela tradicional mensagem de "natal". Do sermos uns para os outros, de estarmos mais presentes, esse tipo de coisa. O livro tem isto tudo e muito mais. Acho que foi o primeiro livro que li, que aborda estas questões de forma não estereotipada. É muito fácil cairmos em clichés com livros deste género e felizmente isso não aconteceu.
O livro transmite-nos uma mensagem de fé tão bonita e tão positiva, que até eu que não tenho religião me senti super tocada. E perto do final temos um twist que me deixou a chorar copiosamente. Gostava realmente de poder falar com alguém sobre o livro pois tenho algumas teorias sobre o mesmo, que não posso partilhar para não vos estragar a história. Apenas vos posso dizer, que este livro é perfeito para ler nesta quadra!
A escrita da autora é fluída e profunda! Recomendo, mil vezes recomendo!!!

Sinopse: Judith McPherson é uma menina de dez anos que vive com o pai numa pequena cidade do Reino Unido. Mas entre o bullying a que é sujeita na escola e a relação distante que o pai, um homem de grande fervor religioso, tem com ela, os seus dias são bastante solitários e sombrios. É no mundo em miniatura que construiu no seu quarto que consegue encontrar algum consolo. Chama-lhe a Terra de Leite e Mel e construiu-o sobre os alicerces da fé e do encantamento. A Menina Que Fazia Nevar é uma reflexão perspicaz sobre a natureza poderosa da fé e o perigo dos fundamentalismos religiosos, e um hino à força da imaginação e do amor.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Landline - Opinião em video


Bom dia bom dia!!!! Para quem só acompanha o blog e ainda não conhece o canal, deixo-vos aqui o video de opinião do livro Landline. 


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Landline - Opinião

Opinião: Não vos sei dizer o quão ansiosa eu estava por ler alguma coisa desta autora. Tão tão ansiosa, curiosa, que nem sei. As expectativas estavam bem lá em cima, no alto. Esta foi também, a primeira leitura escolhida para o projecto  #rudclaus, e foi leitura conjunta com a Cata do Páginas Encadernadas. 
E agora pergunto. O que é que por norma acontece quando se tem as expectativas tão lá em cima?
Caímos… damos um espalho tão grande mas tão grande que não resta nada.
Demasiado dramático…. maybe… mas hoje acordei assim.
A minha estreia com a autora foi com o livro Landline. Landline é o 2º livro “adulto” da autora. Por norma ela escreve YA, que é estrangeirismo para jovens-adultos. Acho que é seguro dizer que os seus livros giram à volta de adolescentes e os seus dramas românticos e de vida. Acho que é seguro dizer, que à partida um romance “adulto” deveria focar-se noutros pontos. Landline é um YA disfarçado de romance adulto.
Conta-nos a história de um casal, o Neal e a Georgie. Durante o Natal, e já com viagem marcada, a Georgie tem de ficar a trabalhar. Surge-lhe uma oportunidade de sonho dentro da sua área, e que ela sente, que não pode recusar. O seu marido Neal, pega nas filhas e vai então, sozinho, passar o Natal ao seu estado com a sua mãe, deixando a Georgie sozinha.  Entretanto, a própria Georgie não sabe se com isto tudo perdeu o seu marido, se o seu casamento terminou. É então que descobre um telefone (no seu quarto de infância) que lhe permite telefonar para o seu marido do passado. É este o resumo resumido do livro.
Ao longo da história acompanhamos os dramas da Georgie para tentar salvar o seu casamento, ao mesmo tempo que se debate com as suas responsabilidades profissionais e desejos.
Dei 2 estrelas a Landline. Mais uma vez, como tem acontecido com as últimas leituras, este livro tinha tudo para ser muito bom, mas falhou redondamente (na minha modesta opinião, claro). 
Vamos por partes para não me perder. Houve 2 coisas neste livro que o estragaram para mim. Primeiro foi a escrita da autora. Para mim tem picos. Picos muito interessantes e que passam a correr, e picos muito chatos, que tornam o livro muito aborrecido. Mas assim mega seca!!! Passamos mais de metade do tempo a conhecer a relação das personagens enquanto eram adolescentes, daí a minha questão com o ser um romance ”adulto” ou não.  Em vez de se focar directamente na crise actual do casal, foca-se no como se chegou lá e o que foi que correu mal.
Depois, foram as personagens. Num livro com tantas personagens, apenas uma se aproveitou, que neste caso foi o Neal. Bem construído e estruturado. A Georgie é o egoísmo em pessoa. E burra diga-se… foram precisas 300 e tal páginas para ela descobrir como salvar o casamento. Ao fim de 100, nem tanto, já eu andava pela casa a dizer: por favor… pega nas tuas coisas, e vai ter com ele!!!
As suas filhas são um bocadinho parvinhas vá, à falta de melhor palavra. O Seth… pronto… lê-se. E depois temos um rol de personagens secundárias interessantes que não são desenvolvidas. Temos um Scooty, que não tem papel nenhum na história. Está ali por estar. Do género, era necessário criar uma personagem homossexual, e fez-se aquele só para fazer o jeitinho. Em cima desta, criou-se a irmã da Georgie, muito interessante e com um Twist brutal, que poderia ser muito bem explorado, e que sinto, que foi lá enfiado, again, porque sim. E uma família super interessante, com aquela mãe maluca e que pronto… estão ali por estar.
Tudo isto estragou o livro para mim. São páginas e páginas de drama “adolescente” que culminam num final abrupto e parvo. De repente…fim. Agora orientem-se! Não deu. Faltou lógica na história, moral e uma mensagem. Sim, nem todos os livros têm obrigatoriamente de ter uma moral. Alguns servem apenas para nos entreter. Mas se a premissa do livro é, se pudesse voltar atrás no tempo mudaria alguma coisa, então, espera-se que no fim haja uma mensagem… que neste livro, não há.
Apesar de tudo, quero muito ler mais da autora e conhecer mais dos seus livros. Diz que os outros são muito bons. Quero ler isso. Se bem que, começo a perder a paciência para dramas adolescentes. Vivessem vocês com uma em casa e iam entender onde eu quero chegar.
Enfim… não foi um bom começo.



Sinopse: 
Georgie McCool knows her marriage is in trouble;it has been in trouble for a long time. She still loves her husband, Neal, and Neal still loves her, deeply — but that almost seems beside the point now.
Maybe that was always beside the point.
Two days before they’re supposed to visit Neal’s family in Omaha for Christmas, Georgie tells Neal that she can’t go. She’s a TV writer, and something’s come up on her show; she has to stay in Los Angeles. She knows that Neal will be upset with her — Neal is always a little upset with Georgie — but she doesn't expect him to pack up the kids and go home without her.
When her husband and the kids leave for the airport, Georgie wonders if she’s finally done it. If she’s ruined everything.
That night, Georgie discovers a way to communicate with Neal in the past. It’s not time travel, not exactly, but she feels like she’s been given an opportunity to fix her marriage before it starts . . .
Is that what she’s supposed to do?
Or would Georgie and Neal be better off if their marriage never happened?

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Passatempo 300 seguidores - Resultado


Terminou ontem à noite mais um passatempo aqui no blog! 
Para mim, um passatempo muito especial. Fiquei muito contente com o marco de 300 seguidores, e agora ainda mais, pois esse numero cresceu mais um pedacinho. Espero que, os que já cá estavam continuem, e que os novos seguidores gostem deste cantinho e por cá fiquem! Muito obrigada a todos (hoje acordei assim... o que fazer)
E sem mais demoras, a vencedora do nosso passatempo foi a Alina Dobrovolska (adoroooo o nome). Já foi contactada e aguardo resposta!
Obrigada a todos mais uma vez por participarem! Até ao próximo passatempo!!!






sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Promoções de Natal da Bizâncio


... elas estão aí, e são tantas mas tantas!!! Acho que o difícil, é mesmo escolher! 








Posso dizer-vos que, das acima mencionadas, interessam-me pelo menos uns 6 livros... vá... coisa pouca =)
Podem consultar mais promoções na página da Editora aqui http://www.editorial-bizancio.pt/promocoes.php





segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

#RudClaus - Projecto de Dezembro


Finalmente chegámos a Dezembro, O mês que mais gosto! Adoro o Natal (sério sem exagero). Mas não estou sozinha nesta maluquice. Para este mês, e juntamente com a Jojo e a Cata (Devaneios da Jojo e Páginas Encadernadas) decidimos criar um projecto de Natal, chamado RudClaus. Neste projecto, tal como aconteceu com o Pottermania ou o Hunger Games, vamos ter opiniões de livros de natal, unboxings, troca de prendas, enfim... muitas coisas giras preparadas para vocês! Espero que gostem, e que acompanhem o nosso projecto. 

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

E começa...


E começam as mega promoções, por todo o lado... medo... tenham muito medo...

http://www.saidadeemergencia.com/editorial/natal-louco/

domingo, 23 de novembro de 2014

O Natal está a chegar às estantes do Mil Folhas =)


A força do destino - Opinião

Opinião: Bom, antes de mais se calhar começo por dizer, que este livro foi, uma romance romântico muito lamechas, e portanto, nada daquilo que eu gosto. E essa vai ser a base principal da minha opinião.
A força do destino, foi o 1º livro escrito pela autora Susana Esteves Nunes. Acompanho já há algum tempo a escritora através das redes sociais e simpatizo muito com ela. É querida e acessível o que me fez querer ler o seu livro. Isso o facto de haver um gato na capa =)
Solicitei o livro à Chiado Editores que prontamente mo enviou.
E agora a opinião. A força do destino, conta-nos a história de Maria Eduarda. A Maria tem um irmão gémeo o João, e como seria de esperar, são muito unidos. Do nada, o João dá-lhe a noticia de que vai emigrar para Nova Iorque, e é durante uma pequena crise de pânico, que Maria Eduarda esbarra, literalmente, no Vasco, por quem se apaixona perdidamente à primeira vista. E é a partir desta premissa que a história se desenvolve.
Não houve assim nada que eu tivesse gostado na história. Para mim, e atenção que estou a reforçar a parte do Para mim, é uma história carregadinha de clichés e dos que menos gosto. A começar pelo mais óbvio. O amor à primeira vista. O amor instantâneo por alguém que não conhecemos e que pode bem vir a ser uma maluquinho. Desculpem... que me desculpem todos os românticos incuráveis do mundo... mas no amor, numa relação, é preciso tempo! E tempo é algo que neste livro não existe. Toda a história é contada num ritmo extremamente rápido e sem evolução do mundo e das personagens. Não há. Começa-se a contar a história e os dias sucedem-se em 2 parágrafos. Eu preciso sempre de mais desenvolvimento de mais contexto para me envolver, para sentir algo pelas personagens e pela história. E neste caso, não senti nada.
E depois há pequenas questões que não gostei, mais uma vez, por ser eu e só eu, que se prendem com pequenas coisas como os nomes das personagens, tão tão estereotipados. Aliás toda a família da Maria Eduarda, é de um estereotipo que deixa imenso a desejar. Desde o tratamento formal, aos nomes e apelidos, à localidade onde vivem, até, à empregada... cliché cliché cliché...
Também não gostei de algumas gralhas a nível de revisão. Conforme ia lendo e passando por estas falhas, automaticamente ajustava as coisas e lia como deve de ser, mas mesmo assim, é sempre chato.
Tenho mesmo pena de não ter gostado do livro. Como já referi, simpatizo imenso com a autora. Acho, no entanto que, para 1º romance está bom. E vejo na autora muito muito espaço para crescer.
Recomendaria este livro a todas as pessoas que gostam de um romance romântico, leve e rápido.


(numa nota mais alegre, sou só eu que adoro este sofázinho da chiado???) =)


Sinopse: Foi num jantar aparentemente banal, que João Pedro, o seu irmão gémeo, depois de receber uma irrecusável proposta de trabalho, lhe dá a arrasadora notícia que está de partida para Nova Iorque. Eram inseparáveis e Maria Eduarda não conseguiu esconder a sua angústia. Mas o destino estava traçado, ela nem imaginava que depois de tão penosa notícia, lhe iria acontecer algo que certamente lhe iria virar a vida do avesso. Entre Cascais, Sintra e Nova Iorque, Maria Eduarda vai viver dias inesquecíveis.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Passatempo 300 seguidores

Alo alo!!! Como forma de comemorar os 300 seguidores do blog quero oferecer-vos um miminho!!!
Aqui por estes lados já estamos em modo natal (é muito evidente pela foto?). E portanto, nada mais justo, do que começar a espalhar o amor e o calor e alegria de natal, qual ursinho carinhoso! =)

Tenho para vos oferecer um exemplar do livro "Sem tempo para dizer Adeus" de Jacquelyn Mitchard, publicado pela Editorial Presença.
Já sabem como a coisa funciona. Preencher tudinho direitinho e esperar!
Ah, começa hoje por isso toca a participar!

Sinopse: Passaram vinte e dois anos desde que o pequeno Ben Cappadora foi raptado. Quando, nove anos depois, o seu paradeiro foi descoberto e pôde regressar para junto dos pais e irmãos, a família iniciou um longo e doloroso processo de recuperação, conseguindo, com o tempo, encontrar alguma paz. Mas agora o irmão mais velho de Ben, Vincent, está prestes a testar a solidez dos laços familiares com o seu mais recente trabalho como realizador. Trata-se do documentário Sem Tempo para Dizer Adeus. Ao apresentar as histórias de cinco familias cujos filhos desaparecidos nunca foram encontrados, Vincent abala profundamente a família Cappadora quando esta menos esperava. E embora todos tentem suster a torrente de emoções  há muito enterradas, não conseguem deixar de se perguntar se alguma vez irão ultrapassar as memórias do passado. 

Regras de Participação:



  1.  O passatempo decorrerá até às 23h59 do dia 7 de Dezembro
  2. Qualquer participação que não possua algum dos dados correctamente preenchido ou contenha respostas incorrectas é automaticamente anulada.
  3.  OBRIGATÓRIO ser seguidor público do blogue 
  4.  O vencedor será escolhido aleatoriamente, através do Random. 
  5.  O vencedor será publicado no blogue e será contactado por email.  
  6. É aceite uma participação por pessoa/email e residentes em Portugal (continental e ilhas).
  7. O blog não se responsabiliza por extravios nos ctt.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Outlander - nas asas do tempo (vl.1) - Opinião

Opinião: E portanto li o Outlander.
Esperei cerca de um mês por este livro, uma vez que estava super esgotado em todo o lado! Ele finalmente chegou, e eu atirei-me logo logo a ele.
Não levei nem 15 dias, foi uma leitura bastante rápida ( a partir das 200 páginas pelo menos ).
Se calhar começo por dizer que tinha grandes expectativas para este livro. Não passava um dia no facebook em que eu não visse uma ou  outra publicação acerca de Outlander e das suas personagens. Tanto que, cheguei a bloquear tudo o que fosse notificações sobre a série, com medo de spoilers. Por isso já estão a ver o quanto eu queria ler isto.
E li... e agora tenho coisas para dizer.
Portanto, acho que a primeira coisa a dizer é, NÃO LEIAM ESTA SINOPSE RANHOSA SE NÃO QUISEREM FICAR A SABER A HISTÓRIA TODA!!!
Pronto... já deitei isto cá para fora.
Agora um resumo muito resumido de Outlander. Este 1º volume de uma série de milhentos livros, conta-nos a história da Claire. A Claire é casada com o Frank. Durante a sua 2ª lua de mel, na Escócia, a tontinha da Claire viaja atrás no tempo, cerca de 200 anos, ao entrar em contacto com um monumento megalítico Aterra no meio de uma escaramuça entre ingleses e escoceses. A tolinha ao inicio pensa que se trata da gravação de um filme...mas depressa percebe que é tudo real. Um grande twist acontece logo aqui. Ela dá de caras com o seu marido, só que não é o seu marido. Mas um dos seus antepassados directos, o temível Black Jack.
A partir daqui toda a acção se começa a desenrolar. A Claire é salva pelo lindíssimo (e bruto) Jamie e vê-se "prisioneira" num tempo que não é o seu.
Pronto. Resumo feito. Acho que isto, dito assim, tinha tudo para ser perfeito! Não fosse um pequenino grande aspecto.
Quando comprei Outlander, pensei que se tratava de um romance histórico ou de ficção histórica (com um q de romance). Afinal... Outlander éeeeee um livro sobre sexo, com alguma história. Se eu pudesse resumir o livro numa frase seria : UM LIVRO SOBRE UMA MULHER APAIXONADA PELO SEU MARIDO QUE O TRAI E SE APAIXONA, EM 5 MINUTOS POR UMA BESTA DE KILT, QUE LHE BATE , MAS QUE É BOM NA CAMA (OU NA FLORESTA, OU NO BANHO, OU NA POCILGA, OU NO RAIO QUE O PARTA) E É UM CRIMINOSO FOFO EM FUGA, E QUE OHHH EU TENHO DE O SALVAR...
Algo assim.
Postas as coisas assim até parece que não gostei do livro. Eu gostei. Tanto que lhe dei as 4 estrelas. Só que me senti um bocadinho defraudada. Se calhar, se me tivesse deixado spoilar, eu teria percebido logo que tipo de história me esperava.
Temos história? Sim , alguma. Temos acção? Também . Temos sexo? Ohhhhh oui muito muito muito sexo. Demais.
Várias pessoas são unânimes quando me dizem , me garantem, que o 2º livro é muito melhor do que este. Eu espero que sim. Quero continuar a ler esta série, tenho esperanças que o Jamie com a idade fique mais , vá, civilizado e a Claire menos parva.
Ah também tenho algumas esperanças, que o 2º livro tenha uma revisão melhor do que este. Porque se eu ganhasse 1 euro por cada erro ortográfico, erro de tradução ou frases mal feitas que encontrei no livro, eu estaria rica!

Portanto, se gostas de um romance com história (mas não muita para não cansar) e com cenas muito picantes, este livro é para ti.

PS: Também temos muita violência, no sexo e fora dele... só para saberem =)


Sinopse: Claire leva uma vida dupla. Tem um marido num século e um amante noutro… 
Em 1945, Claire Randall, ex-enfermeira do Exército, regressa da guerra e está com o marido numa segunda lua-de-mel quando inocentemente toca num rochedo de um antigo círculo de pedras. De súbito, é transportada para o ano de 1743, para o centro de uma escaramuça entre ingleses e escoceses. Confundida com uma prostituta pelo capitão inglês Black Jack Randall, um antepassado e sósia do seu marido, é a seguir sequestrada pelo poderoso clã MacKenzie. Estes julgam-na espia ou feiticeira, mas com a sua experiência em enfermagem, Claire passa por curandeira e ganha o respeito dos guerreiros. No entanto, como corre perigo de vida a solução é tornar-se membro do clã, casando com o guerreiro Jamie Fraser, que lhe demonstra uma paixão tão avassaladora e um amor tão absoluto que Claire se sente dividida entre a fidelidade e o desejo… e entre dois homens completamente diferentes em duas vidas irreconciliáveis. 
Vive-se um período excepcionalmente conturbado nas Terras Altas da Escócia, que culminará com a quase extinção dos clãs na batalha de Culloden, entre ingleses e escoceses. Catapultada para um mundo de intrigas e espiões que pode pôr em risco a sua vida, uma pergunta insistente martela os pensamentos de Claire: o que fazer quando se conhece o futuro? 
Um misto de ficção romântica e histórica, Outlander - Nas Asas do Tempo já foi publicado em 24 países.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

52 Semanas de Sedução - Opinião

Opinião: Então... temos uma sinopse que nos diz "inspire-se"... uh... bom... como começar esta opinião...
Ora bem, 52 semanas de sedução conta-nos a história de um casal, cujos anos de casamento fizeram apenas, como que a chama se apagasse. Até aqui tudo ok. Como forma de recuperarem aquilo que tinham um com o outro, decidem começar uma brincadeira, onde todas as semanas têm de inventar seduções um para o outro. Até aqui tudo ok na mesma.
Honestamente, a premissa até me parece interessante e com bastante potencial. MAS e há um grande grande MAS este livro é mau.
Já é mais do que sabido por estas bandas, que aqui a je não é fã de romances eróticos, mas ainda assim tento dar-lhes sempre mais uma oportunidade (não vá o diabo tecê-las e calhar alguma coisa boa). Até agora... nada. Não pega, não liga, não aquece, não dá.
52 semanas de sedução, ainda que esteja um bocadinho melhor escrito dos que as 50 sombras de grey, é feito com os mesmos ingredientes. Uma má história, más personagens e uma péssima, péssima escrita.
Aborrecido, chato e sem conteúdo, não o recomendo.
Por favor, por favor, não haverá por aí um romance erótico decente para eu ler?

Sinopse: Quando Betty e Herbert se apaixonaram, mal conseguiam conter o desejo que sentiam um pelo outro. No entanto, e apesar do amor profundo a uni-los, dez anos de casamento transformaram uma química sexual avassaladora numa memória distante, algo nublada, até. É então que Betty decide recuperar a magia do romance e do desejo na relação com Herbert e embarca numa demanda de 52 semanas de sedução. Ao longo de um ano, uma vez por semana, Betty e o marido terão de se seduzir um ao outro, à vez, em cenários sensuais e voluptuosos, recriando e explorando as mais secretas fantasias eróticas de cada um.
Baseada no blogue da autora e com direitos vendidos para mais de 10 países, esta é a história de como um casal se reencontrou na paixão, abandonando inibições e rendendo-se ao poder da sedução e do desejo.
Inspire-se!

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Primeira Campa à Direita - Opinião

Opinião: Uma opinião megaaa atrasada, mas entre nova Formação e dentes do ciso fora, tenho tido muito em mente (as dores meus caros, as dores).

Primeira Campa à Direita, foi leitura do mês de Outubro. Pareceu-me um livro bastante adequado à temática do horror a que me havia proposto ( e não cumpri. again).
Este livro é o primeiro de uma série, que em Portugal tem sido publicada pela Círculo de leitores. Se não estou em erro brevemente irá sair o 7º volume, que adianto já aqui, é lindo!
Sobre o livro. Não acho que valha a pena estar aqui a falar sobre a história, porque, infelizmente, mais uma vez temos uma sinopse que revela muito. Mas acompanhamos Charley Davidson nas suas aventuras paranormais e simultâneamente policiais. Na minha cabeça eu só me lembrava de duas coisas. Primeiro, Kim Harrison. É impossível não notar semelhanças entre esta série e a de
 Hollows. Não só as protagonistas são muito parecidas como a escrita das autoras também o é. Não sei quem chegou primeiro, mas pessoalmente, continuo a preferir a Kim Harrison à Darynda. Sem tirar de todo o mérito à ultima, que conseguiu cativar-me com muito pouco. 
E em segundo lugar, eu lembrei-me inúmeras vezes da querida Melinda Gordon e das suas tentativas dramáticas de fazer atravessar fantasmas. Eu adorava essa série! Gostei ainda mais de no livro ter uma personagem que ajuda os mortos a atravessar, mas com sentido de humor, e menos drama .

Dei 4 estrelas no goodreads a este primeiro volume da série. Adorei o sarcasmo, a ironia, o humor, o Reyes, o drama, o Reyes, os mortos, as personagens, o Reyes... já falei no Reyes?? Um pedaço de mau, ohh muito mau caminho!?
Leiam minha gente leiam. Se gostam dos ingredientes acima descritos, certamente irão gostar de Darynda Jones.

Sinopse: Charley Davidson, investigadora privada a tempo parcial e ceifeira negra a tempo inteiro. Quer dizer que vê os mortos. Vê mesmo. E a função dela é convencê-los a "irem para a luz". Mas quando esses mortos muito mortos morreram em circunstâncias pouco ideais, querem que Charley entregue os maus à justiça. Para complicar, tem andado a ter uns sonhos muito sensuais com um ser que a tem seguido toda a vida... 
Com tensão ao rubro e humor a rodos, Primeira Campa à Direita é o passaporte para momentos de suspense da melhor qualidade.
Num enredo repleto de humor, sensualidade e suspense, Darynda Jones criou uma série de cinco audaciosos thrillers. Primeira Campa à Direita, o primeiro da série, coloca-nos face a uma ambiguidade constante entre o bem e o mal, entre a vida e a morte, entre o desejo de ajudar e a força maligna que sempre acompanha (e tenta) Charley, a protagonista.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Teremos sempre Paris - Opinião

Opinião: A minha estreia com este tão aclamado autor não podia ter sido mais positiva.
Já tinha ouvido falar da história Fahrenheit 451, como sendo um livro de extremos. Ou se adora ou se detesta e por isso, tinha grandes expectativas para este livro de contos.
Ray Bradbury apresenta-nos um pequeno livro de contos, composto por 22 histórias, cada uma, mais bizarra do que a outra. E atenção que digo isto, como um elogio.
A escrita do autor consegue ser simultâneamente fluída e leve, enquanto também é profunda e carregada de significados.
Cada conto tem uma mensagem; cada história deixa-nos a pensar sobre que significados ocultos quereria o autor transmitir.
Gostei muito. Um dos contos de que mais gostei é o primeiro, que não se trata tanto de um conto, mas de uma história real. O conto Massinello Pietro tocou-me de uma forma que nem vos consigo explicar. Talvez pelo silêncio com que termina. É fenomenal. Não há neste livro um único conto que não deixe uma impressão no leitor, seja ela positiva ou negativa ou, simplesmente, de estranheza.
Estou super curiosa então para pegar no Fahrenheit 451 e tirar eu própria as minhas ilações, acerca de uma história absolutamente bizarra.
Obrigada Bizâncio !


Sinopse: Em Teremos Sempre Paris - uma selecção de contos inéditos - o inimitável Ray Bradbury encanta-nos de novo com a sua prosa fluente e cantante. Imagina coisa extraordinárias e observa com especial acutilância as fraquezas humanas, as pequenas falhas de carácter. Maravilha-nos com a magia que durante anos dominou e sempre tão presente esteve na sua escrita. Seja explorando as diversas possibilidades do renascimento, seja analisando as circunstâncias que podem fazer de qualquer homem um assassino ou, uma vez mais regressando a Marte, Bradbury revela-nos um mundo a que ficamos presos. Os seus contos são eternos. Teremos sempre Ray Bradbury. 

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sapatinhos de Chocolate - Opinião

Opinião: Os livros de Trisha Ashley, não são aquele tipo de livros fabulosos, com histórias super complexas e maravilhosas. São sempre livros leves e divertidos para saborear lentamente.
Este é o 3º livro da autora publicado em Portugal e até agora, li todinhos e de todinhos gostei =)
Existe algo na sua escrita simples e descomplicada que me faz sempre sentir entusiasmada quando penso nos seus livros.
Sapatinhos de Chocolate, leva-nos de volta à aldeia de Sticklepond e a um universo de personagens que não nos são estranhas. Neste livro, tornamos a reencontrar algumas personagens do livro Desejos de Chocolate, cuja acção decorre na mesma aldeia. É maravilhoso tornar a encontrar personagens como o Raffy e a Chloe e os seus chocolates apetitosos.
Em sapatinhos de chocolate acompanhamos Tansy, que é aquele tipo de personagem com a qual todas as mulheres se identificam. Uma mulher um bocadinho excêntrica mas que tem uma aura de outros tempos, que nos acaba por trazer algum conforto. Seguimos também o seu noivo Justin, que é aquele tipo de personagem irritável que só dá mesmo vontade de bater! Aliás, este livro está repleto de personagens odiosas! É estabelecido desde o inicio um paralelismo entre esta história e o conto tradicional da Cinderela, pois também Tansy tem 2 meias irmãs horrorosas com pés gigantes e uma vontade enorme de lhe fazer a vida negra!
Entre sapatos e viagens ao passado, acabamos por nos envolver na história destas personagens e no lindo romance que surge entre Tansy e o .... não digo.
Só tenho uma crítica ao livro. Gostava que para o fim o romance tivesse sido mais desenvolvido e não tanto o caminho para lá chegar. Menos sapatos e mais acção teria sido perfeito!

Há quem considere a escrita da autora como lenta e chata. Eu acho precisamente o contrário. Dá para perceber um padrão nos livros da autora. O ritmo lento é sem dúvida uma dessas características. O que uns consideram chato, eu considero envolvente e confortável. Precisamente o tipo de livros necessários para desanuviar a cabeça. Simples, divertido e reconfortante, são as três palavras que escolho para caracterizar os livros de Trisha Alshley.
Se procuram um romance para ler este natal, então Sapatinhos de Chocolate pode ser ideal !


Sinopse: Esqueça os Jimmy Choos, Sapatinhos de Chocolate é o único acessório de que vai precisar na próxima estação...

Tansy sonhava com um belo futuro junto de Justin. Mas quando uma revelação inesperada a faz confrontar a amarga verdade sobre o homem que ama, decide deixar imediatamente Londres e regressar à pequena aldeia de Sticklepond. As doces atenções da carinhosa tia Nan e a amizade de Bella são um bálsamo para o seu coração destroçado. Com um entusiasmo que já não pensava ter, Tansy lança-se na realização de um projeto há muito desejado. Assim nasce a Cinderella’s Slippers, uma loja de sapatos realmente muito especial. Se ao menos a sua vida amorosa a fizesse tão feliz!

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Uma Tag de Outono


O outono é sem dúvida a minha estação do ano favorita. Não está demasiado frio nem calor, está agradável. É uma estação que me remete para coisas boas, saltar em cima de folhas, chás quentinhos, mantas e bons livros. Espero que gostem desta Tag =)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Quando éramos Mentirosos - Opinião

Opinião: Este livro diz algures na capa, algo do género, se lhe perguntarem como acaba este livro, minta... ok. Já que insistem.
Uauuuu estou completamente maravilhada e estarrecida com este livro! Absolutamente brutal, criativo e diferente de tudo o que já li.... NOT

Nop... esqueçam tudo o que disse em cima... este livro... mhe... não é nem carne nem peixe, nem legumes e muito menos YA.
Sinto-me tãoo sozinha neste momento. Para onde quer que me vire só vejo gente que gostou deste livro, seja nos blogues seja no booktube. Não consigo entender como?
O histerismo todo criado em torno deste livro deixou-me  mega curiosa e ainda que eu não seja de aceitar empréstimos, uma amiga minha lá me convenceu a ler o livro. Conclusão... não gostei. Não odiei, mas não gostei.

Do inicio. Capa. Não tem nada a ver com a história.
Título. Errado. Completamente errado... quando éramos, correcto, porreiro. Mentirosos? Uhhh ok... apenas para que se perceba, e sem tentar estragar a história a ninguém, sim, a vida destes jovens está repleta de mentiras (no sentido figurado), mas eles não são mentirosos. Com excepção de uma ou outra mentira típicas da idade...  ridículo...
E a escrita... oh boy... segurem-me.
Diz que supostamente a escrita é criativa, não sei onde. Nas frases de uma palavra? Acho que a autora tentou ser super intelectual e inteligente e acabou por se espalhar ao comprido. Gostei das analogias criadas em torno dos contos de fadas ... e foi só.
Achei o livro totalmente previsível. Quer dizer a partir do momento em que chego a meio, e já estou a suspeitar do twist, algo está errado com o livro. E o fim, achei absolutamente parvo! Ai apetece-me contar-vos tudo! Mas quando chega ao fim, e vejo o que acontece ás personagens, fiquei tão tão zangada! Senti-me completamente enganada! Caraças então todo aquele tempo e tanto drama depois, para no fim serem grrrrrrrrrrr que raiva! Senti-me estúpida. Cheguei lá, é verdade, mas ainda assim desejava que o final tivesse sido outro. Detestei as personagens não há uma que se aproveite.
Olha o livro valeu pelos cães.
Não matem o mensageiro, sei que a maioria do pessoal adorou este livro, mas olhem. Alguém tem de ser a ovelha ranhosa, let that be me =)


Sinopse: A família Sinclair parece perfeita. Ninguém falha, levanta a voz ou cai no ridículo. Os Sinclair são atléticos, atraentes e felizes. A sua fortuna é antiga. Os seus verões são passados numa ilha privada, onde se reúnem todos os anos sem exceção. É sob o encantamento da ilha que Cadence, a mais jovem herdeira da fortuna familiar, comete um erro: apaixona-se desesperadamente.
Cadence é brilhante, mas secretamente frágil e atormentada. Gat é determinado, mas abertamente impetuoso e inconveniente. A relação de ambos põe em causa as rígidas normas do clã. E isso simplesmente não pode acontecer. Os Sinclair parecem ter tudo. E têm, de facto. Têm segredos. Escondem tragédias. Vivem mentiras. E a maior de todas as mentiras é tão intolerável que não pode ser revelada. Nem mesmo a si.

Sapatinhos de Chocolate - Trisha Ashley ( Divulgação )

Sinopse: Quando Tansy Poole herda uma sapataria decrépita escondida na aldeia de Sticklepond, nasce a Cinderella’s Slippers – que fornece calçado capaz de fazer qualquer casamento de conto de fadas tornar-se realidade…
Tendo todos os sapatos em que uma noiva gostaria de percorrer o caminho até ao altar, a loja de Tansy logo se expande para vender outros produtos relacionados com a temática… e até deliciosos sapatinhos de chocolate. É o destino de sonho para qualquer amante de sapatos!
Se tudo na sua vida pessoal pudesse ser igualmente celestial – mas com um noivo a tentar fazê-la caber num vestido de noiva tamanho 36, para não mencionar a recente descoberta de revelações perturbadoras na família, Tansy refugia-se no sucesso da loja.
Há porém um homem que não está entusiasmado com o fluxo de clientes que enche a Cinderella’s Slippers… O ator Ivo Hawksley, morador na casa ao lado da loja, vive atormentado por um segredo sombrio do seu passado e chegou a Sticklepond para curar o seu próprio coração destroçado.
No entanto, Ivo percebe que ele e Tansy tem uma ligação no passado e, em breve, descobrem como os segredos partilhados podem formar uma ligação realmente forte…

Esqueça os Jimmy Choos, Sapatinhos de Chocolate é o único acessório de que vai precisar na próxima estação…
Tansy sonhava com um belo futuro junto de Justin. Mas quando uma revelação inesperada a faz confrontar a amarga verdade sobre o homem que ama, decide deixar imediatamente Londres e regressar à pequena aldeia de Sticklepond. As doces atenções da carinhosa tia Nan e a amizade de Bella são um bálsamo para o seu coração destroçado. Com um entusiasmo que já não pensava ter, Tansy lança-se na realização de um projeto há muito desejado. Assim nasce a Cinderella’s Slippers, uma loja de sapatos realmente muito especial. Se ao menos a sua vida amorosa a fizesse tão feliz!
«Ler um livro de Trisha Ashley é como revisitar velhos amigos. (…)
Um livro terno para qualquer mulher que goste de sapatos, chocolate e de ler sobre homens bonitos e intrigantes.»
Novelicious.com

«Um livro delicioso, terno e cheio de humor!» Sophie Kinsella

Perspectivas: Pessoal, aqui a Neuza só vos pode dizer uma coisa (ou várias vá) é que, Noite de Reis, da mesma autora foi um livro que adorei muito muito muito, assim como Desejos de Chocolate. Tenho as expectativas altas altas. Estou à espera de um romance leve e perfeito para ler na altura do Natal. E a senhora Sophie Kinsella só veio aumentar as expectativas. Já comecei a ler. Obrigada Quinta Essência!

                              P.S. -  O LIVRO TRÁS RECEITAS!!! 

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Passatempo - O Fio do Destino - Resultados

 Alo alo!
Já está apurado o vencedor do passatempo, que terminou ontem. Neste caso vencedora.
Parabéns à Patrícia Campos, de Vila Nova de Mil Fontes (nº 45).
Vais receber um email para que te possa enviar o livro!
Obrigada pela participação de todos.
Este passatempo teve um total de 122 participações, sendo que 116 foram válidas.
Até ao próximo =)

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Um Amor perdido - Opinião


Opinião: Um amor perdido, é o 4º livro da autora publicado em Portugal. Li e possuo todos os livros anteriores, e adorei todos. A escrita da autora é leve e fluída, sem se tornar superficial. Todos os seus livros abordam temas que nos tocam profundamente e é por esse motivo que gosto tanto da autora. 
Neste 4º livro seguimos o mesmo registo. Acompanhamos o percurso de 4 personagens, cujas vidas, de forma inesperada, se acabam por interligar, por um objectivo em comum. Encontrar Alexandra. 
Tenho de confessar, que tinha expectativas muito elevadas relativamente a este livro. Culpa unicamente do talento da autora. Consegue sempre de forma brilhante criar enredos cativantes e com os quais, de alguma forma, nos conseguimos identificar. 
Neste caso, isso não foi tão fácil para mim. O livro aborda a perda e o amor, assuntos que de certa forma, todos entendemos. Mas também aborda o alcoolismo e a depressão, que são doenças que nem toda a gente vai compreender. E não é no sentido de compreender o que é a doença, mas sim no sentido de entender o que leva alguém a determinado estado. 
Não deixa, no entanto, de ser interessante seguir estas personagens e entender de que forma às vezes, apenas uma situação, consegue fazer desmoronar um mundo inteiro. 
Neste livro, não acompanhamos uma investigação criminal de perto, mas sim de fora, através do olhar da família e amigos, algo que nem sempre é explorado nos livros. Temos personagens todas muito diferentes e todas super interessantes. Uma delas, que não é tão principal assim, acaba por ter um sentido de humor genial, negro e sarcástico, com o qual inevitavelmente, acabei por me identificar. 
Qualquer livro de Anna McPartlin, consegue colocar um sorriso nos lábios do leitor, assim como uma lágrima no canto do olho (ou se forem como eu, rios de lágrimas). Posto isto, não posso deixar de recomendar esta leitura a qualquer pessoa que aprecie o género. 


Sinopse: A 21 de 
Junho de 2007 Alexandra Kavanagh saiu de casa, falou com a vizinha, meteu-se no comboio, chegou à estação de Dalkey e desapareceu... Tom está destroçado. Não encontra a mulher, o seu mundo desmoronou e o seu único objetivo é localizá-la. Durante dezassete anos, Jane cuidou do filho Kurt, da excêntrica irmã Elle, e da rabugenta mãe Rose. A única pessoa de que não cuida é dela própria. Elle é artista e considerada um génio. Como tal, o seu comportamento um tanto errático é tolerado. Embora a sua vida pareça perfeita, a tristeza de Elle é por vezes profunda. Leslie perdeu toda a família para o cancro. Passou vinte anos à espera de morrer, mas após uma operação radical está determinada a viver de novo. Quatro meses depois do desaparecimento de Alexandra. Tom entra num elevador com Jane, Elle e Leslie para um concerto de Jack Lukeman. Uma hora mais tarde, os quatro desconhecidos saem de lá com as suas vidas entrelaçadas para sempre.
Um Amor Perdido aborda o alcoolismo, a depressão, a negação e a dor e ainda assim irá dar por si a sorrir e até a rir.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Passatempo - O Fio do Destino

Para comemorar a chegada do Outono, uma das minha estações do ano favoritas, o blog tem para vos oferecer o livro O Fio do Destino, de Laura Schroff e Alex Tresniowski.
Para se habilitarem a ganhar só têm de responder acertadamente às questões do formulário, e respeitar as regras do passatempo.

Boa sorte!

Sinopse: 
E foi nesse momento que a vida de Laura mudou para sempre. Com uma carreira de sucesso no USA Today - o maior jornal americano - ela era uma mulher privilegiada mas solitária. O seu passado encerrava segredos dolorosos que a impediam de se sentir realizada e feliz. Quando viu Maurice pela primeira vez, Laura não poderia imaginar quão importante viria a ser na vida daquele menino. Maurice tinha apenas seis anos mas a sua história era já devastadora. Com o corpo e o espírito marcados por anos de abandono e fome, o único mundo que conhecia era o da violência e do caos. Com a sua tenra idade ele já sabia o suficiente para temer pela própria vida. Não rezava, não sabia como, mas pensava: Por favor, não me deixem morrer. E de certo modo, esta era a sua pequena oração. Contra todas as expectativas, Laura seria a resposta à sua prece. Com pequenos gestos de bondade, ela permitiu-lhe ter fé no futuro pela primeira vez. E Maurice retribuiu, ajudando-a a descobrir-se a si própria e à sua capacidade de amar. A amizade entre ambos transformou e enriqueceu as suas vidas. Laura e Maurice são até hoje a prova de que tudo é possível quando abrimos o coração aos outros.

Regras de Participação:

1) O passatempo decorrerá até às 23h59 do dia 30 de Setembro
2) Qualquer participação que não possua algum dos dados correctamente preenchido ou contenha respostas incorrectas é automaticamente anulada.
3) OBRIGATÓRIO ser seguidor público do blogue 
4) O vencedor será escolhido aleatoriamente, através do Random. 
5) O vencedor será publicado no blogue e será contactado por email.  
6) É aceite uma participação por pessoa/email e residentes em Portugal (continental e ilhas).
7) O blog não se responsabiliza por extravios nos ctt.


quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Herdeiros do Ódio - Opinião

Opinião: Como vem sendo habitual aqui no blog, todos os que me lêem, sabem que quando gosto muito de um livro é-me muito difícil passar para palavras aquilo que senti. Felizmente, isto tem sido bastante habitual, sinal de que, tenho lido livros que me tocam muito.
Foi o caso do livro Herdeiros do Ódio. Se vos disser, que aos meses que oiço falar maravilhas desta autora e desta saga acreditam? Tenho uma amiga que gosta bastante de V.C. Andrews e que constantemente falava desta série. E eu, constantemente colocava-a de parte na minha lista de leituras. Primeiro, por serem edições "antigas" difíceis de encontrar. E depois, pelo seu tema. 
Quando soube que a Quinta Essência iria re-editar esta série, achei que isto era claramente um sinal dos deuses dos livros, para que eu finalmente arriscasse, para que eu saísse mais uma vez da minha zona de conforto de leituras fofinhas e fantasiosas, e arriscasse em algo verdadeiramente bom.
Com a ajuda da editora foi possível, e assim iniciei esta leitura.
Este livro conta-nos a história de 4 filhos e uma mãe, que não olhará a meios para atingir os seus fins. Basta que leiam a sinopse para ficarem bem informados acerca do conteúdo do livro.
A história é-nos contada sob a perspectiva de uma das filhas, a Cathy. É através dos seus olhos que acompanhamos a vida destes irmãos, num cativeiro que nunca parece ter fim. O livro mostra-nos quase 4 anos de prisão sem nunca se tornar chato. Não há um momento morto em toda a história. E ainda que eu ache que o livro tem um ritmo bastante lento, não é um ritmo que se torne cansativo e aborrecido. É um ritmo que nos prende, que nos agarra, e que nos faz ler compulsivamente uma história que acabamos por sentir como sendo nossa. É muito fácil imaginar que estamos com aquelas crianças, presas naquele quarto. É muito fácil perceber e sentir as suas angústias e incertezas como nossas. Mas é muito muito difícil conseguir entender o que leva uma mãe a tomar certas decisões que colocam em risco a vida dos seus próprios filhos.
A autora consegue de uma forma brilhante e simples prender-nos a uma história de cariz pesado e tenebroso. O livro não nos apresenta temas fáceis. Lemos sobre abusos, negligência, incesto. Mas também sobre amizade, amor, coragem e lealdade. Terminamos o livro com uma sensação de vitória mas também de angústia pelo que virá a seguir. Estou super ansiosa para que a editora publique os restantes livros desta série muito muito em breve. E estou também a segurar-me para não ler já a continuação em edições antigas, cujas histórias já me garantiram, serem ainda melhores do que esta.
Dêem uma oportunidade a este livro e vão ver que não se vão arrepender.




Sinopse: 
Os quatro filhos da família Dollanganger levavam vidas perfeitas - uma bela mãe, um pai amoroso e dedicado, uma linda casa. De repente, o pai morre num acidente de viação e a mãe fica endividada e não possui qualificações para ganhar a vida e sustentar a família. Assim, decide escrever aos pais – os seus pais milionários, dos quais as crianças nunca tinham ouvido falar. A mãe fala-lhes dos avós ricos, de como Chris, Cathy e os gémeos irão levar vidas de príncipes e princesas na luxuosa mansão dos avós. As crianças deleitam-se com as perspetivas da nova vida, até descobrirem que existem algumas coisas que a mãe nunca lhes contou. Nunca lhes contou que eram consideradas pelos avós «filhos do demónio» e que nunca deviam ter nascido. Não lhes conta que é obrigada a ocultá-las do avô porque deseja herdar a fortuna dele. Não lhes conta que devem permanecer trancadas numa ala isolada da casa, tendo apenas o sótão escuro e abafado onde brincar. Prometeu-lhes, porém, que seriam apenas alguns dias... 
Contudo, os dias transformaram-se em meses, os meses em anos. Desesperadamente isolados, aterrorizados pela avó, Chris e Cathy tornam-se tudo um para o outro e para os gémeos. Agarram-se ao amor mútuo como última esperança, única força sólida - uma força quase mais poderosa que a morte. Herdeiros do Ódio é um romance de terror, traição e salvação através do amor.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

The Merciless - Opinião

Opinião: Conseguiiiiiiii =) li o meu primeiro livro em inglês completo! Algo que não acontecia desde o 6º ano talvez, portanto já lá vai algum tempinho.
E ohhhh boy que livro!
Parti para esta leitura apenas a saber que se tratava de um livro de terror, e nada mais. Apenas isto, e a capa linda que o livro tem, foi o suficiente para me convencer a querer ler.
Este livro conta-nos a história da Sofia, e da forma como ela se vê envolvida num exorcismo muito violento. Literalmente, sem saber como.
Eu adorei este livro! É TÃOOO mas tãooo assustador e gráfico, muito gráfico. Houve momentos em que fechei o livro e deixei para o dia seguinte a leitura, porque estava a ser demasiado brutal para mim.
Deixo-vos mais pormenores acerca do livro no video que fiz para o canal. Espero que gostem, e caso tenham oportunidade de ler o The Merciless, façam-no, porque acho sinceramente que não se vão arrepender.


Sinopse: Brooklyn Stevens sits in a pool of her own blood, tied up and gagged. No one outside of these dank basement walls knows she’s here. No one can hear her scream.

 
Sofia Flores knows she shouldn’t have gotten involved. When she befriended Riley, Grace, and Alexis on her first day at school, she admired them, with their perfect hair and their good-girl ways. They said they wanted to save Brooklyn. They wanted to help her. Sofia didn’t realize they believed Brooklyn was possessed.
 
Now, Riley and the girls are performing an exorcism on Brooklyn—but their idea of an exorcism is closer to torture than salvation. All Sofia wants is to get out of this house. But there is no way out. Sofia can’t go against the other girls . . . unless she wants to be next. . . .
 
In this chilling debut, Danielle Vega delivers blood-curdling suspense and terror on every page. By the shockingly twisted end, readers will be faced with the most haunting question of all: Is there evil in all of us?